O bom Selvagem*

Pedro Faro, 2009

 

Pedro Vaz (1977) is a painter, thinks as a painter, creates pictorial moments traveling and building worlds of color, stain, without defined horizons, observed and desired landscapes, places that participate in the field of enchantment, between reality and dream. Enigmatic places. The works of Pedro Vaz - painting on wood, watercolors, video and installations - combine different elements of segmented nature, paths, roads, which divide more or less intense chromatic fields, almost ever green, involved and diluted by the constant haze of imagination. We are drawn into a vegetable nature, apparently artificial and constructed, in most cases deformed in their proportions. Small elements are magnified. A reality constructed and uncluttered by the artist. Thus, we are faced with a world imagined from the collection and selection of realistic particulars, obtained through paths taken, photographed, cut, assembled, recreated, rethought or projected on the basis of relations of perspective, depth, plasticity, and especially pictoriality. It is to color and to stain that we are due the elaboration of a landscape or nature, that although recognizable as such, tends to an almost oneiric abstraction, on the domain of a closed interiority that explodes in the shock of stains, ink, the mixing of colors, of circumvented speckles...

 

At Voyeur Project View, the young artist presented in June some of his most recent works where painting upholds other contours. It cuts out, fits in and is reflected in us and the architecture where it is placed. At the same time, at the Gallery Módulo with whom he works, he showed some watercolors that rehearse and structure his compositions and installations.

 

Telluric Depth | It interests, in the work of Pedro Vaz, the insistent search for a depth of an endless end, of a way densely populated by obstacles that allow the performativity of a peeking look, almost always without entering, in a world that could be populated by gnomes and other agents of telluric imagery. In a text/manifesto on his work - Forma e Lugar - Pedro Vaz explains that “the landscape works for me as a tool, as a medium for my own exercise or practice in painting. But the theme of landscape, natural landscape, is much more than that, it is a source of inspiration. It contains all the magic that exists behind something we do not know, integrates the need to seek and explore a path without prior knowledge of its end, forever waiting to find an intact place where man has not yet arrived, a primordial place where “all begins”. In his works there is no horizon line, an essential expression for determining what is meant by a landscape. Nor are we before a Renaissance window, which ideally cuts out a piece for observation and contemplation. In this sense, Carlos Vidal, about the work of the artist states that “The suppression of gestural elements (explicitly constructive) or formal /figurative (as the allusion to the horizon) lays us without guidance "in" these material mazes, chromatic and shapeless like if we were in a forest, woods, meadow or natural trail. Immersed in a forest whose density does not allow us to divide or identify the details of what surrounds us, touching or "mugging", for everything being too close to our sight. Without the line of horizon and other figurative indications of the same type we pass to the "inside" of these landscapes, even without identifying them as such.” But more than immersed, the proposed experiences put us at odds with created matter: there is a separation between us and what we see. We peek, we wander but do not relocate, we maintain a position against something, that being there, does not let us in to walk and cross. It's the gaze that is challenged behold the opportunity, from there, to imagine. "I look for something more mysterious yet. A passage written in books, the blocked old way, the one in which the prince exhausted from fatigue could not find. It is discovered in the vaguest time of morning, when we long ago forgot ourselves that it is past eleven, at noon...And suddenly, in dismissing the branches of deep foliage with that hesitant gesture of uneven hands away from the face, appears to us like a long dark avenue whose exit is a very small circle of light" (Alain Fournier, The Great Meaulnes**). Pedro Vaz, as Augustin Meaulnes, iconic character of Symbolist literature of the early twentieth century, is lost finding himself on the demand of any experienced paradise, insisting on work leading to its visualization, breathing his works with alternating moments of restlessness, catharsis and restraint, before the sensitive mysteries provided by the experience of nature.

 

Between Worlds | Between figuration and abstraction, the artist questions representation, or as he regards it himself "simulating and figuring nature, but with a strong tendency towards abstractionism, not wanting to make the landscape unrecognizable. The color is sometimes used in an antinaturalistic sense, an intuitive way to assist abstraction and in regulating or not, chromatic intensities. The deconstruction of the image, does not only intend to question representation, but also and to create shapes that are not familiar to us while not harming or immobilizing us. The abstract side only sweeps parts of the figure, but also keeps some important aspects of it “(Forma e Lugar). Almost Symbolic, almost naturalistic, unrealistic, sometimes impressionist and surrealist, quite abstract, the work of Pedro Vaz carries with it a pictorial heritage and training that allows a two-leveled research. On one hand, there is a focus on the phenomena of vision and perception, on the practice of painting as revealing of new images, new possibilities, of new worlds, of the possibilities in color, of colors, of the pictorial regime as modeler of a particular universe . On the other, there is a subtly critical intentionality regarding our removal of the natural world and our suspicions and defenses against the unknown, which reason does not dominate. There is a need for dialogue with nature that allows the artist to prepare a speech that is formed on several fronts, which all contribute to the same: painting. It is in this sense that he creates the “Landscape Boxes” - cubes that recreate natural, vegetal environments – that expand as the jagged paintings or the videos, the pictorial concept to other media that break and amplify the framework of traditional discipline. They act as technical devices that enable the photographer to direct "this work to themes such as perception, speculative or conceptual interpretation of the theme landscape" (Carlos Vidal, O Peso do Olhar).

 

To L + Art, Pedro Vaz confirmed that "There is an inner drive that sometimes I do not want to submit as a proposal, but that is the energy that makes me produce, which leads me to create ... There was a time when I did it to show to people and now I think I do this for me, I think this is really a confrontation with myself, what I do; I focus more and more on this idea of place, the idea of looking for a place, something ... But it can also be a justification or a tool to make me build a visual oeuvre, that in the end is what she turns out to be. For me this notion of perspective interests me a lot, even though it is sometimes very distorted. I see it with different eyes because I'm very into it and I know what's behind." What is this place? "But how can a man that once foresaw Paradise resign with a life like everyone else? What for others is happiness seemed laughable to me. And when I honestly, deliberately decided one day to act like them, this was the day that sowed remorse that I will reap for long ...“(Alain Fournier, The Great Meaulnes)

 

* “The good savage”. Portuguese, Literal translation.

** Literal translation of the Portuguese name of the novel The Wanderer, by Alain-Fournier.

 

 

 

O bom Selvagem

Pedro Faro, 2009

 

Pedro Vaz (1977) é pintor, pensa enquanto pintor, cria momentos pictóricos, percorrendo e construindo mundos de cor, mancha, sem horizontes definidos, paisagens observadas e desejadas, lugares que participam do domínio do encantamento, entre a realidade e o sonho. Lugares enigmáticos. As obras de Pedro Vaz – pintura sobre madeira, aguarelas, vídeo e instalações – combinam diferentes elementos da natureza segmentados, percursos, caminhos, que dividem campos cromáticos mais e menos intensos, quase sempre verdes, envolvidos e diluídos pela constante bruma da imaginação. Somos atraídos para uma natureza vegetal, aparentemente artificial e construída, na maioria dos casos deformada nas suas proporções. Pequenos elementos são ampliados. Uma realidade construída e desbravada pelo artista. Assim, confrontamo-nos com um mundo imaginado a partir da recolha e selecção de particulares reais, obtidos através de caminhos percorridos, fotografados, recortados, montados, recriados, projectados ou repensados em função das relações de perspectiva, profundidade, plasticidade e, sobretudo, pictorialidade. É à cor e à mancha que devemos a elaboração de uma paisagem ou natureza que, embora reconhecível enquanto tal, tende para uma abstracção quase onírica, do domínio de uma interioridade encerrada que explode no choque das manchas, da tinta, na mistura das cores, dos salpicos contornados...

 

No espaço Voyeur Project View, o jovem artista apresentou em Junho algumas das suas obras mais recentes onde a pintura afirma outros contornos. Recorta-se, encaixa-se e reflecte-se em nós e na arquitectura

onde é colocada. Ao mesmo tempo, na Gallery Módulo, com quem trabalha, mostrou algumas das aguarelas que ensaiam e estruturam as suas composições e instalações.

 

Profundidade Telúrica | No trabalho de Pedro Vaz interessa a procura insistente de uma profundidade, de um fim sem fim, de uma via densamente preenchida por obstáculos que permitem a performatividade de um olhar que espreita, quase sempre sem entrar, num mundo que poderia ser povoado por gnomos e por outros agentes do imaginário telúrico. Num texto/manifesto sobre a sua obra, Forma e Lugar, Pedro Vaz explica-nos que “a Paisagem funciona para mim como uma ferramenta, como um medium para o meu próprio exercício ou prática da pintura. Mas o tema Paisagem, a paisagem natural, é bem mais do que isso, é fonte de inspiração. Comporta toda a magia que existe por detrás de algo que não conhecemos, integra a necessidade de procurar e explorar um caminho sem saber onde ele vai acabar, estando sempre à espera de encontrar um lugar intacto, onde o homem ainda não tenha chegado, um lugar primordial onde tudo começa”. Nas suas obras não há uma linha de horizonte, vocábulo essencial para a determinação daquilo que se entende por uma paisagem. Nem tão pouco estamos perante a janela renascentista, que recorta idealmente um fragmento para observação e contemplação. Nesse sentido, Carlos Vidal, acerca do trabalho do artista refere que “a supressão de elementos gestuais (explicitamente construtivos) ou formais/figurativos (como a alusão ao horizonte) coloca-nos sem orientação ‘dentro’ destes labirintos matéricos, cromáticos e informes como se estivéssemos numa floresta, bosque, clareira ou caminho natural. Imersos numa floresta cuja densidade não nos permite divisarmos ou identificar os detalhes daquilo que nos rodeia, toca ou ‘agride’, por tudo estar demasiadamente junto ao olhar. Sem linha de horizonte e outras indicações figurativas do mesmo tipo passamos a estar no ‘interior’ destas paisagens, mesmo sem as identificarmos como tal”. Mas mais do que imersos, as experiências propostas colocam-nos em confronto com a matéria criada: há uma separação entre o nós e o que se vê. Espreitamos, deambulamos mas não nos deslocamos, mantemos uma posição perante algo que, estando ali, não nos deixa entrar, percorrer e caminhar. É o olhar que é desafiado, perante a possibilidade de, a partir dali, imaginar. “Procuro qualquer coisa mais misteriosa ainda. É a passagem de que falam os livros, o velho caminho obstruído, aquele cuja entrada o príncipe, exausto de fadiga, não conseguiu encontrar. Descobre-se na hora mais vaga da manhã, quando há muito nos esquecemos de que já vais nas onze, no meio-dia… E de súbito, ao afastar os ramos na folhagem profunda com esse gesto hesitante das mãos desigualmente afastadas da cara, aparece-nos como que uma longa avenida sombria cuja saída é um círculo de luz muito pequeno” (Alain-Fournier, O Grande Meaulnes ). Pedro Vaz, tal como Augustin Meaulnes, personagem icónica da literatura simbolista do início do século XX, perde-se encontrando-se na procura de um qualquer paraíso experimentado, insiste no trabalho que levará à sua visualização, insuflando as suas obras com momentos alternados de inquietação, catarse e contenção, perante os mistérios sensíveis proporcionados pela vivência da natureza.

 

Entre mundos  |  Entre a figuração e a abstracção, o artista questiona a representação ou, como o próprio refere, “simulando e figurando a Natureza, mas existindo uma forte tendência para o abstraccionismo, não querendo tornar irreconhecível a paisagem. A cor é usada por vezes, num sentido antinaturalista, intuitiva de forma a auxiliar a abstracção e de forma a regularizar ou não as intensidades cromáticas. A desconstrução da imagem não só pretende questionar a representação, mas também e com o sentido de criar formas que não nos sejam familiares, mas também que não nos agridam ou imobilizem. O lado abstracto apenas varre partes da figura, mas também mantém alguns aspectos importantes da mesma” (Forma e Lugar ). Quase simbolistas, quase naturalistas, pouco realistas, por vezes impressionistas e surrealistas, bastante abstractas, as obras de Pedro Vaz carregam consigo um património pictórico e de formação que lhe permite uma investigação a dois níveis. Por um lado, há uma concentração sobre os fenómenos da visão e da percepção, sobre a prática da pintura enquanto reveladora de novas imagens, de novas possibilidades, de novos mundos, das possibilidades da cor, das cores, do regime pictórico enquanto modelador de um universo particular. Por outro, há uma intencionalidade subtilmente crítica em relação ao nosso afastamento do mundo natural e às nossas desconfianças e defesas face ao desconhecido, àquilo que a razão não domina. Há uma necessidade de diálogo com a natureza que permite ao artista a elaboração de um discurso que se vai formando em várias frentes, que contribuem todas para o mesmo: a pintura. É nesse sentido que realiza as Caixas de Paisagem  – cubos que recriam ambientes naturais, vegetalistas – que expandem, tal como as pinturas recortadas ou os vídeos, o conceito pictórico para outros suportes que rompem e ampliam a tradicional moldura disciplinar. Funcionam como dispositivos técnicos que permitem ao artista direccionar “este trabalho para temáticas como as da percepção, da interpretação  especulativa ou conceptual do tema paisagem” (Carlos Vidal, O Peso do Olhar ).

 

À L+arte, Pedro Vaz confirma que “Há uma motivação interior que, por vezes, não quero apresentar como proposta mas que é a energia que me faz produzir, que me leva a criar... Houve uma altura em que fazia para mostrar às pessoas e agora acho que faço isso para mim, acho que isso é mesmo um confronto comigo, com aquilo que faço; foco-me cada vez mais nesta ideia de lugar, na ideia de procurar um sítio, qualquer coisa... Mas isso também pode ser uma justificação ou uma ferramenta para me levar a construir uma obra visual que, ao fim ao cabo, é o que ela acaba por ser. Para mim interessa-me bastante esta noção de perspectiva apesar de ela ser por vezes muito distorcida. Vejo isto com outros olhos porque estou muito dentro dela e sei o que está por detrás”. Que lugar é este? “Mas como poderá um homem que um dia anteviu o Paraíso resignarse com uma vida como a de toda a gente? O que para os outros constitui a felicidade pareceu-me risível. E, quando, sinceramente, deliberadamente, decidi um dia agir como eles, esse foi o dia em que semeei remorsos, que vou colher muito tempo…” (Alain-Fournier O Grande Meaulnes )

 

 

Download pdf file (pt)

Copyright © Pedro Vaz  2017